Mundo

Maduro chama carta do Vaticano de “Lixo” e “Veneno”

135Leituras

O ditador venezuelano Nicolás Maduro classificou como “lixo”, “veneno” e “cinismo” uma carta do Vaticano que incentiva os governantes da Venezuela a se abrirem ao diálogo na busca da superação da crise que o país atravessa.

O documento foi lido pelo bispo auxiliar de Caracas, Monsenhor Ricardo Barreto, durante a inauguração da assembleia anual da Fedecamaras, uma associação formada por entidades econômicas privadas, em 20 de julho.

O Secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin, escreveu a carta a um dirigente empresarial venezuelano.

Na carta, o cardeal diz que considera importante que a sociedade civil seja a protagonista da solução para a crise atual no país.

Parolin ainda insistiu que, para isso, a vontade política dos envolvidos e o interesse pelo bem comum, juntamente com o apoio da sociedade civil e das comunidades internacionais, são fatores essenciais no processo.

No momento da leitura da carta no evento, a vice-presidente da chavista, Delcy Rodríguez, conversava em seu celular, mas alguns minutos depois atacou o pedido do Vaticano.

Leia também

Delcy Rodríguez respondeu ao apelo, dizendo que “os padres que querem fazer política, que tirem as batinas e venham fazer política”, citando o ex-presidente Hugo Chávez.

Na última quarta-feira (21), Nicolás Maduro também se pronunciou.

“Quando todos falam em produzir, se unir pela Venezuela, superar a crise econômica, chega um padre totalmente desconhecido, não sei se é um monsenhor ou bispo, e ele supostamente leu uma carta de Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano, que foi embaixador do Vaticano aqui na Venezuela”, disse o ditador ao taxar como “lixo” a carta do Vaticano.

Para Maduro, a carta “era um compêndio de ódio, veneno, brigas, divisão e cinismo; uma carta verdadeiramente cheia de ódio, de catástrofe nacional”.

O analista político Bruno Dornelles disse no Boletim da Noite dessa terça-feira (27) que Maduro é narcisita.

“A natureza narcisista é você tentar convencer até os últimos instantes que você possui a razão. Aí você vai dizer: ‘mas a crise foi você que causou’. [Maduro responde] ‘Não, isso é política, tire a batina, venha fazer política’”, ressaltou.

Contribua com o Jornal clicando nos links de publicidade, fazendo este gesto gratuito, você estará contribuindo com a única fonte de renda deste jornal, de quebra nos ajudando a crescer e a oferecer um melhor e mais abrangente serviço de entrega de informação independente. Para contribuições em dinheiro, consulte esta página.

Redação do Jornal Liga Patriótica

Redigido pela Redação do Jornal Liga Patriótica, extraído de diversas fontes

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo