Justiça

Assange é preso e libera arquivos sigilosos, políticos brasileiros como Tasso Jereissati e Roseana Sarney citados

18Leituras

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, foi preso nesta quinta-feira (11) em Londres após perder asilo da embaixada equatoriana. Um dia após a ação, a organização divulgou todos os documentos que possui. Essa era uma promessa já antiga do WikiLeaks, de que liberaria tudo que tem caso Assange fosse preso.

O diretório aberto conta com centenas de arquivos que envolvem desde informações sigilosas de e-mails (como os da de Hillary Clinton) até negociações entre países. Sobre o Brasil, há dados que mostram que a então senadora Roseana Sarney tinha investimentos em offshores. Revela também o verdadeiro diagnóstico (HIV) do fundador da Apple Steve Jobs.

Na lista, também estão vídeos e fotos sobre ações dos Estados Unidos no e Afeganistão, em que soldados norte-americanos usam de força desproporcional sobre a população.

Leia também

Assange é acusado de espionagem e foi preso em Londres por conta de um mandado expedido pelo Tribunal de Magistrados de Westminster em 2012. Ele também é acusado de participar de uma ação de espionagem na coleta de documentos do Pentágono em conjunto com a ciberativista Chelsea Manning, em 2010. Entre os documentos, estava exatamente essa ação do país no que resultou na morte de civis e dois jornalistas da Reuters.

O jornalista segue em prisão em Londres, mas há um pedido de extradição para os Estados Unidos, onde acredita-se que ele será efetivamente julgado.

Os documentos completos estão dispostos no diretório do WikiLeaks.

Redação do Jornal Liga Patriótica

Redigido pela Redação do Jornal Liga Patriótica, extraído de diversas fontes

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo