Política

Aécio Neves chama Doria de “desqualificado” após ser chamado de “covarde” e “pária”

360Leituras

O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) divulgou uma nota nesta terça-feira (24) onde chama o governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), de “desqualificado”.

A crítica é uma resposta a declarações do empresário em entrevista ao Roda Viva na última segunda-feira, em que afirmou que o mineiro é “covarde” e um “pária dentro do PSDB”. Também defendeu que o deputado deveria se afastar da sigla.

Aécio acusou o governador de ter sido “oportunista” ao subir em um palanque com o então candidato à Presidência, Jair Bolsonaro (sem partido), nas eleições de 2018. “De forma oportunista, se ajoelhou aos pés de Bolsonaro implorando apoio, criando o inesquecível Bolsodoria, e tenta a todo custo fazer com que as pessoas se esqueçam disso”.

Também acusou Doria de traição. “Traiu o seu padrinho político, Geraldo Alckmin da forma mais covarde e humilhante possível, desrespeitando e atropelando a história do partido, para abrir caminho para a sua ambição”, disse Aécio.

E afirmou que o governador de São Paulo, que vai disputar em novembro as prévias para ser o candidato do partido ao Planalto, não tem condições de ser o nome do PSDB para concorrer à Presidência.

“Perdeu as condições de ser candidato à própria reeleição pela sua enorme rejeição e acha que pode comprar o PSDB para satisfazer o seu fetiche de ser candidato a presidente da República. Falta a ele dimensão e caráter para liderar qualquer projeto nacional”, disse.

Também desmentiu as acusações de corrupção feitas por Doria contra ele. “Quanto às acusações que me fez, ele demonstra mais uma vez a sua leviandade. Fui vítima de uma armação criminosa que será desmascarada na Justiça. Minha vida pessoal já foi toda investigada e não existe um centavo de dinheiro público ou de origem duvidosa do qual tenha me beneficiado”.

Aécio também acusou o colega tucano de tentar tomar o PSDB. “A obsessão em me atacar é fruto da sua interpretação de que também sou um obstáculo a que ele se transforme em dono do PSDB”, disse.

A disputa entre os dois tucanos se arrasta desde 2019, quando João Doria tentou expulsar do PSDB. No entanto, os dois pedidos apresentados foram arquivados pela Executiva nacional. Ao todo, 35 tucanos participaram da reunião e o resultado foi: 30 votos a favor de Aécio, quatro contra e uma abstenção.

No início deste ano, em um jantar promovido por Doria, o tema voltou a ser colocado pelo governador paulista para os demais tucanos presentes, bem como foi externalizado seu desejo de assumir a presidência nacional da sigla em maio, quando o mandato do atual presidente nacional, Bruno Araújo, se encerraria.

A pauta do jantar recrudesceu a crise com Aécio, e, dias depois, Bruno Araújo foi reconduzido à presidência do partido por mais um ano a pedido dos presidentes dos diretórios estaduais, deputados federais e senadores.

Por meio de uma ‘nota de desagravo’, o presidente do PSDB de Minas, deputado Paulo Abi-Ackel também se manifestou contra as falas do governador paulista. “Em nome do PSDB de Minas Gerais lamento profundamente, mais uma vez, que o governador João Doria ataque o deputado federal usando termos que extrapolam as divergências políticas e que não são usuais para quem ocupa um cargo como o dele”, diz a nota, que considera ainda a postura do governador paulista “prejudicial para o convívio democrático”.

Veja na íntegra a nota de Aécio Neves:

Declaração do deputado

Doria é um desqualificado.

Leia também

Perdeu as condições de ser candidato à própria reeleição pela sua enorme rejeição e acha que pode comprar o PSDB para satisfazer o seu fetiche de ser candidato a presidente da República.

Falta a ele dimensão e caráter para liderar qualquer projeto nacional.

De forma oportunista, se ajoelhou aos pés de Bolsonaro implorando apoio, criando o inesquecível Bolsodoria, e tenta a todo custo fazer com que as pessoas se esqueçam disso.

Traiu o seu padrinho político, Geraldo Alckmin da forma mais covarde e humilhante possível, desrespeitando e atropelando a história do partido, para abrir caminho para a sua ambição.

A obsessão em me atacar é fruto da sua interpretação de que também sou um obstáculo a que ele se transforme em dono do PSDB.

Quanto às acusações que me fez, ele demonstra mais uma vez a sua leviandade. Fui vítima de uma armação criminosa que será desmascarada na Justiça.

Minha vida pessoal já foi toda investigada e não existe um centavo de dinheiro público ou de origem duvidosa do qual tenha me beneficiado.

Ao contrário, quem fez fortuna às custas de empresários, foi o Sr. João Doria através das doações milionárias feitas ao seu Lide.

Recentemente, a própria publicou denúncias a relação suspeita que a entidade mantém com empresários beneficiados pelo governo de São Paulo. Trata-se de acusação que merece ser melhor investigada.

Hoje, numa prática que jamais havia ocorrido no PSDB, seus emissários viajam pelo país oferecendo pagar dívidas de campanhas passadas e financiamento para campanhas futuras para tentar comprar o resultado das prévias partidárias.

Tenta, a todo custo, transformar o PSDB num balcão de negócios. O PSDB não é o Lide, Sr. João Doria, o PSDB não está à venda.

O PSDB é fruto de uma construção coletiva, da qual participo há cerca de 30 anos. Não vamos permitir que ele seja tomado por um arrivista, cujo único objetivo é satisfazer seu próprio ego e sua ambição doentia.

Contribua com o Jornal clicando nos links de publicidade, fazendo este gesto gratuito, você estará contribuindo com a única fonte de renda deste jornal, de quebra nos ajudando a crescer e a oferecer um melhor e mais abrangente serviço de entrega de informação independente. Para contribuições em dinheiro, consulte esta página.

Redação do Jornal Liga Patriótica

Redigido pela Redação do Jornal Liga Patriótica, extraído de diversas fontes

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo